Foi em contato direto com a natureza no Horto Luiz Gonzaga de Macedo, em Queimados, que os alunos da Escola Municipal Santo Expedito participaram de uma festa para marcar o “Amigos do Guandu”, projeto de educação ambiental realizado pelo Comitê Guandu-RJ junto com parceiros, entre eles a Prefeitura de Queimados. Apesar do clima festivo de encerramento, na última sexta-feira (1°), as crianças ainda receberão na escola, no próximo dia 7, dentro da parceria com a Cedae, o “Replantando Vida” com uma oficina de sementes e o plantio de mudas de espécie nativas, além do recolhimento das “Cartas para 2033”, elaboradas pelas crianças e que serão enterradas em uma “cápsula do tempo”.

Na atividade da última sexta, os alunos participaram de jogos educativos com materiais recicláveis e se divertiram no playground do Horto. Receberam lanche, frutas, pipoca e algodão doce, além de uma mochila ecológica personalizada do “Amigos do Guandu”. Tudo com muita música.

Acompanhando de perto, estiveram a diretora geral do Comitê Guandu e coordenadora Ambiental da Governança Socioambiental da Cedae, Mayná Coutinho, e a secretária de Ambiente e Defesa dos Animais do município de Queimados, que é também diretora executiva do Comitê, Andreia Loureiro. Ela falou sobre o legado que o projeto deixa para as crianças, destacando ainda outra iniciativa do Colegiado na localidade de Santo Expedito, atendida pelo Sanear Guandu, o maior programa do país em saneamento rural.

“O Amigos do Guandu foi uma experiência incrível na Escola Municipal Santo Expedito, nessa localidade onde foi iniciado o projeto Sanear Guandu, sendo implantados biodigestores. Para finalizar, com chave de ouro esse projeto nessa comunidade, houve esse trabalho com as crianças, que, muitas delas, inclusive, receberam os biodigestores em suas casas, para falar da importância de tratar esgoto, de ter esse olhar incrível para os mananciais e para a água como recurso natural fundamental para a vida. E estamos chegando ao fim de uma forma muito incrível, extraordinária, recebendo as crianças aqui no Horto Municipal de Queimados, para finalizar essa etapa desse projeto maravilhoso que eu tenho certeza que vai ficar na memória dessas crianças”, destacou Andreia Loureiro.

A diretora da Escola Municipal Santo Expedito, Cristiane Cruz, também comentou sobre a alegria de ter recebido o projeto e do pertencimento que as várias ações proporcionadas pelo “Amigos” deixa nos alunos.

“Um projeto maravilhoso, um projeto necessário e importante. Nossos alunos aprenderam de forma lúdica, interativa e adquiriram muitos conhecimentos que compartilharam com os familiares e nós notamos a mudança de atitude na escola. De cuidado com o meio ambiente, de cuidado com toda a organização do nosso espaço, na vivência com os amigos e com o ambiente. Em nossa escola, temos muita plantação, tem uma horta, árvores frutíferas e percebíamos que não havia esse cuidado. Com a chegada do projeto, com todo o conhecimento que eles têm adquirido, além de cuidarem das plantas, da vegetação, eles identificam a vegetação que existe em nossa escola e levam também para as casas e os responsáveis chegam até a gente alegres, felizes e dizendo desse conhecimento. Eu tenho certeza que ficou na memória afetiva de cada aluno e eles vão falar sobre isso por muito tempo ainda. Foi um grande prazer receber e foi um diferencial muito grande em nossa unidade escolar”, disse a diretora Cristiane.

Um dos carros-chefes do Plano de Comunicação do Comitê Guandu, desenvolvido com ênfase na educação ambiental, que contou com a colaboração de consultores pedagógicos, o “Amigos do Guandu” tem o objetivo de somar esforços com as escolas para levar a importância da preservação e gestão da água aos alunos e consequentemente à comunidade escolar, como um todo, buscando uma conscientização conjunta e fortalecida na Região Hidrográfica II.

Ao fechar esse ciclo com os alunos, a pedagoga Andrezza Maciel, que atua no projeto fez um balanço do que aconteceu desde de setembro na Santo Expedito e também na Escola Municipal Teófilo Cunha, em Japeri, outra unidade atendida pelo “Amigos do Guandu”.

“A gente teve uma trajetória de muita aprendizagem, muitos momentos lúdicos, divertidos com as nossas crianças, nos quais elas tiveram um contato maior com conceitos de cuidado com o meio ambiente. O objetivo do Amigos do Guandu é plantar uma sementinha nessas crianças de, realmente, como é que elas podem fazer para cuidar do meio ambiente. Colocar em prática esses cuidados que  tanto ouvimos no nosso dia a dia, colocar em prática esses aprendizados. Então, nós plantamos, visitamos o Manancial, em parceria com a Cedae, tivemos uma cartilha com várias atividades interativas, elas aprenderam a importância do Rio Guandu que abastece o estado do Rio de Janeiro. Muitas crianças vivem próximas a esse rio e não conheciam”, relatou Andrezza.

A pedagoga ressaltou, ainda, a importância do “Dudu”,  mascote do projeto, que interagiu com a galerinha por meio de vídeos e na cartilha pedagógica que receberam.

“Nosso mascote, o Dudu, trouxe toda a brincadeira, o lúdico para essas crianças, ensinando para eles qual era a importância dos rios, a importância da água, como é que nasce um rio. Teve também a questão do saneamento e a gente encontrou crianças que estão recebendo, ou já receberam os biodigestores nas suas casas e eles aprenderam como funcionam. Falamos de coleta seletiva e reciclagem… tantas coisas bacanas. Então, a gente plantou no coração dessa criançada uma semente para a construção de um futuro melhor para eles e para o nosso planeta”, finalizou.

Além das Prefeituras de Queimados e Japeri e da Cedae, o projeto tem como parceira a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

Foi em contato direto com a natureza no Horto Luiz Gonzaga de Macedo, em Queimados, que os alunos da Escola Municipal Santo Expedito participaram de uma festa para marcar o “Amigos do Guandu”, projeto de educação ambiental realizado pelo Comitê Guandu-RJ junto com parceiros, entre eles a Prefeitura de Queimados. Apesar do clima festivo de encerramento, na última sexta-feira (1°), as crianças ainda receberão na escola, no próximo dia 7, dentro da parceria com a Cedae, o “Replantando Vida” com uma oficina de sementes e o plantio de mudas de espécie nativas, além do recolhimento das “Cartas para 2033”, elaboradas pelas crianças e que serão enterradas em uma “cápsula do tempo”.

Na atividade da última sexta, os alunos participaram de jogos educativos com materiais recicláveis e se divertiram no playground do Horto. Receberam lanche, frutas, pipoca e algodão doce, além de uma mochila ecológica personalizada do “Amigos do Guandu”. Tudo com muita música.

Acompanhando de perto, estiveram a diretora geral do Comitê Guandu e coordenadora Ambiental da Governança Socioambiental da Cedae, Mayná Coutinho, e a secretária de Ambiente e Defesa dos Animais do município de Queimados, que é também diretora executiva do Comitê, Andreia Loureiro. Ela falou sobre o legado que o projeto deixa para as crianças, destacando ainda outra iniciativa do Colegiado na localidade de Santo Expedito, atendida pelo Sanear Guandu, o maior programa do país em saneamento rural.

“O Amigos do Guandu foi uma experiência incrível na Escola Municipal Santo Expedito, nessa localidade onde foi iniciado o projeto Sanear Guandu, sendo implantados biodigestores. Para finalizar, com chave de ouro esse projeto nessa comunidade, houve esse trabalho com as crianças, que, muitas delas, inclusive, receberam os biodigestores em suas casas, para falar da importância de tratar esgoto, de ter esse olhar incrível para os mananciais e para a água como recurso natural fundamental para a vida. E estamos chegando ao fim de uma forma muito incrível, extraordinária, recebendo as crianças aqui no Horto Municipal de Queimados, para finalizar essa etapa desse projeto maravilhoso que eu tenho certeza que vai ficar na memória dessas crianças”, destacou Andreia Loureiro.

A diretora da Escola Municipal Santo Expedito, Cristiane Cruz, também comentou sobre a alegria de ter recebido o projeto e do pertencimento que as várias ações proporcionadas pelo “Amigos” deixa nos alunos.

“Um projeto maravilhoso, um projeto necessário e importante. Nossos alunos aprenderam de forma lúdica, interativa e adquiriram muitos conhecimentos que compartilharam com os familiares e nós notamos a mudança de atitude na escola. De cuidado com o meio ambiente, de cuidado com toda a organização do nosso espaço, na vivência com os amigos e com o ambiente. Em nossa escola, temos muita plantação, tem uma horta, árvores frutíferas e percebíamos que não havia esse cuidado. Com a chegada do projeto, com todo o conhecimento que eles têm adquirido, além de cuidarem das plantas, da vegetação, eles identificam a vegetação que existe em nossa escola e levam também para as casas e os responsáveis chegam até a gente alegres, felizes e dizendo desse conhecimento. Eu tenho certeza que ficou na memória afetiva de cada aluno e eles vão falar sobre isso por muito tempo ainda. Foi um grande prazer receber e foi um diferencial muito grande em nossa unidade escolar”, disse a diretora Cristiane.

Um dos carros-chefes do Plano de Comunicação do Comitê Guandu, desenvolvido com ênfase na educação ambiental, que contou com a colaboração de consultores pedagógicos, o “Amigos do Guandu” tem o objetivo de somar esforços com as escolas para levar a importância da preservação e gestão da água aos alunos e consequentemente à comunidade escolar, como um todo, buscando uma conscientização conjunta e fortalecida na Região Hidrográfica II.

Ao fechar esse ciclo com os alunos, a pedagoga Andrezza Maciel, que atua no projeto fez um balanço do que aconteceu desde de setembro na Santo Expedito e também na Escola Municipal Teófilo Cunha, em Japeri, outra unidade atendida pelo “Amigos do Guandu”.

“A gente teve uma trajetória de muita aprendizagem, muitos momentos lúdicos, divertidos com as nossas crianças, nos quais elas tiveram um contato maior com conceitos de cuidado com o meio ambiente. O objetivo do Amigos do Guandu é plantar uma sementinha nessas crianças de, realmente, como é que elas podem fazer para cuidar do meio ambiente. Colocar em prática esses cuidados que  tanto ouvimos no nosso dia a dia, colocar em prática esses aprendizados. Então, nós plantamos, visitamos o Manancial, em parceria com a Cedae, tivemos uma cartilha com várias atividades interativas, elas aprenderam a importância do Rio Guandu que abastece o estado do Rio de Janeiro. Muitas crianças vivem próximas a esse rio e não conheciam”, relatou Andrezza.

A pedagoga ressaltou, ainda, a importância do “Dudu”,  mascote do projeto, que interagiu com a galerinha por meio de vídeos e na cartilha pedagógica que receberam.

“Nosso mascote, o Dudu, trouxe toda a brincadeira, o lúdico para essas crianças, ensinando para eles qual era a importância dos rios, a importância da água, como é que nasce um rio. Teve também a questão do saneamento e a gente encontrou crianças que estão recebendo, ou já receberam os biodigestores nas suas casas e eles aprenderam como funcionam. Falamos de coleta seletiva e reciclagem… tantas coisas bacanas. Então, a gente plantou no coração dessa criançada uma semente para a construção de um futuro melhor para eles e para o nosso planeta”, finalizou.

Além das Prefeituras de Queimados e Japeri e da Cedae, o projeto tem como parceira a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).